Estilo

Causa animal é o tema da nova edição da Vogue Paris

Gisele na capa da Vogue Paris (Foto: Reprodução/Inez&Vinoodh)

No começo do ano, a Vogue britânica anunciou o primeiro editor chefe homem e negro da revista, o qual assumirá o cargo no dia 1º de agosto. Agora foi a vez da Vogue Paris desconstruir conceitos e lançar um editorial, na edição de julho, que conta com o manifesto à proteção dos animais protagonizado por ninguém mais ninguém menos que a top model mais bem paga do mundo.

Sob o olhar da dupla de fotógrafos Inez & Vinoodh, Gisele Bündchen posa ao lado de coelhos, cachorros, lobos e outros animais tradicionalmente criados e mortos em função do uso de suas peles para a fabricação de roupas e acessórios.

Em sua conta no Instagram, a modelo comentou estar muito feliz pelo tema da edição:

Gisele (Foto: Reprodução/Inez&Vinoodh)

Diante do crescimento cada vez mais significativo dos adeptos ao veganismo, e após marcas famosas como o grupo Armani, a Calvin Klein, Tommy Hilfiger e Ralph Lauren, e uma das maiores varejistas de moda de luxo Net-A-Portner Group banir as peles animais de todos os seus e-commerces, a situação para as indústrias de pele está cada vez pior.

Mesmo um estúdio não sendo o lugar ideal para animais selvagens estarem, com essa campanha a Vogue Paris consegue aproximar os leitores dos animais, lembrando o público que as peles verdadeiras das vestimentas vêm de seres vivos. Esta edição trata apenas das chamadas “animal fur” que nada mais são do que uso da pele dos animais peludos, e acaba deixando de lado as “animal skin”, onde estão incluídas as peles de cobras, jacarés e vacas. A Vogue Paris deste mês também conta com uma entrevista com a estilista Stella McCartney, ativista porta-voz dos direitos dos animais que não usa pele nem couro em suas coleções ou parcerias.

A Vogue nunca foi uma revista que se posicionava perante o status quo, o que pode significar, esperançosamente, que estamos caminhando para um padrão de consumo de moda mais consciente e menos cruel perante os animais e à natureza.

Estudante de jornalismo, deixou pra trás o verde do interior e veio escrever a sorte na terra da garoa. Fascinada por uma boa história contada na mesa de bar, glitters carnavalescos fora de época e pessoas apaixonantes.